Conceitos básicos de racismo: por que [termo para descrever grupo] é racista? 

Muitos termos usados para descrever grupos racializados começam como insultos, chacota ou presunções erradas.

Mesmo quando começam com enganos, podem machucar por terem uma história de terem sido usados de forma pejorativa com frequência, e/ou por demonstrarem desconsideração com a autodeterminação do grupo e/ou desconhecimento sobre tal grupo.

Por serem termos usados especificamente pra grupos racializados, tais termos não podem ser ressignificados por pessoas brancas que querem dar outros sentidos pra eles (e isso inclui verbos formados a partir dessas palavras). Isso só desrespeita o peso desses termos, além de poder ajudar a contribuir com estereótipos racistas que associam a "ressignificação" com o grupo original.

AVISO! Eu vou mencionar aqui coisas sobre colonização, escravidão, campos de concentração, discriminação e afins. Os links passados como fonte podem ter informações mais detalhadas e pesadas que não estou mencionando aqui. Ainda assim, recomendo que quem puder leia os links passados como fontes, afinal eles também oferecem outras informações que podem ajudar a entender situações passadas ou presentes de racismo que vão além do assunto desta postagem.

Palavra com Bu, 5 letras: Usada para descrever povos e indivíduos indígenas deste continente, e também é usada para qualificar negativamente coisas, pessoas ou situações. Significa "sem cultura", "herege" ou "selvagem", entre outros significados ruins.
escritoresindigenas.blogspot.c] dicio.com.br/bugre/] www1.folha.uol.com.br/esporte/]

Caucasiane (para descrever pessoas brancas): Explico isso em colorid.es/@Aster/104684753155

China: Obviamente não tem problema usar a palavra pra falar do país, mas chamar pessoas chinesas (ou asiáticas num geral) disso é ruim: reduz tais pessoas a seu suposto país de origem (sendo que a pessoa pode não ter nascido na China ou não ter nem ascendência chinesa, mas isso é ruim mesmo se for o caso).
superela.com/coisas-racistas-q] buzzfeed.com/br/julianakataoka]

Conceitos básicos de racismo: por que [termo para descrever grupo] é racista? 

Palavra com Ci, 6 letras: Usada para descrever Romani, mas também tem gente que usa como se descrevesse pessoas nômades, trapaceiras, com poderes místicos, que são cartomantes e/ou com "espírito de aventura", entre outras coisas. Isso por serem estereótipos ligados à etnia Romani, especialmente por conta de sua perseguição ter levado muitas dessas pessoas a não poderem ter residências ou trabalhos formais ou constantes. Sua raiz na língua portuguesa vem de uma palavra que significa escrave em português, e a raiz do equivalente em inglês da palavra significa egípcie (por causa de uma presunção errônea sobre Romani ser uma etnia egípcia).
estadao.com.br/noticias/geral,] now.org/blog/the-g-word-isnt-f] dissolutionandcreation.tumblr.] rrojasandribbons.tumblr.com/po]

Palavra com Cr, 7 letras: Usada principalmente para descrever pessoas negras que nasceram nas Américas, embora tenha outros sentidos também. Tem a conotação de pele escura significar sujeira.
conceito.de/crioulo] huffpostbrasil.com/2016/02/15/] coad.jusbrasil.com.br/noticias] migalhas.uol.com.br/quentes/33] metropoles.com/distrito-federa]

Palavra com Ja, 4 letras: Usada para reduzir pessoas japonesas (ou mesmo asiáticas num geral) a seu suposto país de origem (Japão). Também remete a uma palavra similar de 3 letras usada contra pessoas japonesas nos Estados Unidos na época da Segunda Guerra Mundial, quando foram obrigadas a viver em campos de concentração para "provar que não são espiãs do Eixo".
traducao-japones.blogspot.com/] cargocollective.com/viniciusch] superela.com/coisas-racistas-q] huffpost.com/entry/peter-king-] buzzfeed.com/br/julianakataoka]

Palavra com Mo, 6 letras: Usada pra diminuir a negritude de alguém, dizendo que a pessoa é supostamente clara demais pra ser negra. Também geralmente aparece em contextos que dizem de como uma pessoa é bonita, implicitamente falando que pessoas negras ou "mais negras" são feias ou menos bonitas. Aparentemente, a origem da palavra é de um termo usado para excluir pessoas não-cristãs de pele mais escura do que a de um povo germânico da ascenção social.
revistamarieclaire.globo.com/C] revistaforum.com.br/noticias/n] aventurasnahistoria.uol.com.br]

Conceitos básicos de racismo: por que [termo para descrever grupo] é racista? 

Palavra com Mu, 6 letras: Também usada para se referir a pessoas negras de pele clara. Muita gente fala que a palavra vem de mula, um animal infértil que nasce quando ume cavale e ume jumente se cruzam, mas também existe a hipótese que a palavra é derivada de muwallad, alguém com ume genitore árabe e outre não-árabe. Qualquer que seja o caso (é possível que uma origem nem anule a outra), esta palavra é usada para anular a negritude de pessoas negras que passam a ser consideradas "nem tão negras assim", além de ser acompanhada de estereótipos relacionados a não ser alguém confiável.
geledes.org.br/nao-chame-de-mu] pragmatismo.jusbrasil.com.br/n] bahia.ba/entretenimento/histor] geledes.org.br/santos-confirma]

Palavra com Ne, 4 letras, e também seu diminutivo com 8 letras: Geralmente são palavras usadas para descrever alguma pessoa negra de forma pejorativa, ou para descrever pejorativamente alguém que não está presente e que não é necessariamente negre.
gente.globo.com/termos-racista] escrevalolaescreva.blogspot.co]

Palavra com Ne, 5/6 letras, aumentativo da palavra anterior: Geralmente referencia a hipermasculinidade e/ou hiperssexualização dos corpos negros, os associando com serem pessoas grandes/musculosas/com partes do corpo sexualizadas maiores e, muitas vezes, capacidade de entendimento menor. Este é um estereótipo que foi muito usado para justificar o motivo de pessoas negras poderem trabalhar mais ou resistir a mais dor, o que ajudou na desumanização das pessoas negras durante a época da escravidão e ainda contribui com isso hoje em dia.
yumpu.com/pt/document/read/127] revistaraca.com.br/racismo-no-] geledes.org.br/mateus-solano-e] migalhas.uol.com.br/quentes/30] thoailu.wordpress.com/independ] writingwithcolor.tumblr.com/po]

Ocidental: Embora não seja um problema usar esta palavra no contexto de, por exemplo, "Ásia ocidental", usar "cultura ocidental" como sinônimo de "cultura branca" ou "ocidente" como sinônimo de "países ricos" apaga a presença indígena nas Américas ou o papel da Europa em fazer com que a supremacia branca nas Américas exista hoje.
weirder.earth/@dirething/10502]

Conceitos básicos de racismo: por que [termo para descrever grupo] é racista? 

Oriental: Embora seja diferente usar essa palavra no contexto de, por exemplo, "Europa oriental", usar o termo para descrever pessoas asiáticas é contribuir para essa ideia de que pessoas e culturas asiáticas são uma realidade mística (e provavelmente uniforme) lá longe, ao invés de originárias de um lugar específico (a Ásia) que é enorme e cheio de diversidade.
buzzfeed.com/br/julianakataoka] twitter.com/biaomr/status/9964] weareresonate.com/2016/07/orie]

Parde: Como descrição racial, geralmente é uma forma de apagamento. Existe toda uma questão sobre pessoas racializadas, especialmente quando multirraciais, não terem categorias mais específicas para preencher em pesquisas sobre "raça ou cor", ou terem incentivos para não se dizerem negras ou indígenas por conta de estigma. Nunca vi pessoalmente esse termo ser usado como ofensa (embora eu possa estar errade), mas dizer que alguém "não é [raça], é parde" é uma forma de apagamento.
youtube.com/watch?v=CxW2Z2w-tO] medium.com/@desabafos/a-comple] geledes.org.br/entenda-as-dife]

Pessoa de cor: Uma tradução muito usada pra "person of color", uma denominação usada para descrever pessoas não-brancas de forma mais abrangente e/ou curta do que listar pessoas negras, asiáticas e de povos originários da Oceania e das Américas. Porém, na língua portuguesa, essa expressão remete a um eufemismo pra descrever pessoas negras sem chamá-las de negras, inferindo que dizer que alguém é negre é ofensa.
nereidem.blogspot.com/2013/06/] yumpu.com/pt/document/view/127]

Sangue azul (quando se usa de forma positiva): Uma expressão que associa pele clara com ser da realeza.
aventurasnahistoria.uol.com.br]

Selvagem: Embora existam situações onde o uso desta palavra não é pejorativo, usá-la para se referir a indivíduos ou grupos tem uma conotação racista, afinal dá a ideia de que porque alguém/algo "vem da natureza" é incontrolável, tem características de animais, é incapaz de conviver com "sociedades de verdade", etc.; características atribuídas por pessoas brancas a vários povos originários de fora da Europa.
colegiomellodante.com.br/2019/] sitebarra.com.br/v7/guerras-e-] noticias.r7.com/brasil/sertani] theestablishment.co/stop-calli]

Conceitos básicos de racismo: por que [termo para descrever grupo] é racista? 

Tribo: Também não é uma palavra estigmatizada por si só, mas o uso dela geralmente é pejorativo, caracterizando povos como nômades e/ou inferiores a sociedades europeias ou eurocêntricas. Para se referir a grupos específicos, sugere-se usar povo, nação, etnia ou outra terminologia adequada para a situação.
medium.com/@desabafos/o-proble] multirio.rj.gov.br/index.php/l] minionu15anosoea.wordpress.com] hownottotravellikeabasicbitch.]

Palavra com Xi, 8 letras (sem contar traço ou espaço que podem usar no meio): Usada pra classificar pessoas, grupos ou coisas como falsificadas, de forma que remete a produtos chineses baratos. Espero que o problema de chamar pessoas ou suas raças de algo feito pra descrever produtos copiados de coisas feitas por grandes marcas seja óbvio.

Possíveis dúvidas:

- [Insira termo aqui] é racista?
Pode ser que sim, que não, ou que dependa do contexto. Recomendo procurar o que pessoas que poderiam ser afetadas pelo termo possuem a dizer sobre ele. Se for uma questão de algumas pessoas se ofenderem e outras não, sugiro tentar evitar o termo, a não ser que pareça realmente ser o termo mais apropriado.
Mesmo que um termo seja apropriado, seu uso também deve ser cuidado: por exemplo, descrever uma pessoa numa foto como mulher e outra como mulher negra deixa implícito que ser negra é um diferencial, ao contrário de uma suposta "mulher padrão" que provavelmente é branca. Como outro exemplo, chamar pessoas desconhecidas com base em raça ao invés de outras características ainda é racista, por mais que os termos certos sejam utilizados.

- Mas eu vi pessoas supostamente afetadas por esses termos usarem eles pra si mesmas ou pra outras pessoas, e agora?
Termos podem ser reapropriados/ressignificados (ou seja, retirados de uma conotação negativa para que passe a ser uma descrição positiva) pelas pessoas do grupo afetado. Mesmo assim, a não ser que uma pessoa peça para que você use aquela palavra pra se referir a ela, isso é algo que só pessoas dentro do grupo podem fazer.

Conceitos básicos de racismo: por que "preferências raciais" são racistas? 

[Aviso! Esta sequência toca em assuntos como sexo, atração e relacionamentos. Menciona genitálias e atos sexuais, e links poderão conter imagens sexualizadas.]

De vez em quando, vejo pessoas, quase sempre brancas, declarando que adoram ou adorariam ter um relacionamento com uma pessoa de uma determinada raça.

E, sempre, quando se explicam, os motivos para tal preferência são estereótipos racistas: "pessoas japonesas são organizadas", "homens negros têm pau grande" (isto também é uma baita dose de diadismo e cissexismo), "mulheres asiáticas são mais submissas"¹, "pessoas latinas² são sensuais", etc.

Também existem repulsões por grupos específicos que também são formados por estereótipos racistas: "[insira raça aqui] não é meu tipo", "mulheres negras são exigentes demais"¹, "mulheres brancas foram contaminadas pelo feminismo"¹, "não acho pessoas [insira raça aqui] atraentes", "homens asiáticos têm pau pequeno" (novamente, isto é cissexista e diadista além de racista).

O padrão disso é que características físicas ou comportamentais específicas estão sendo associadas a todas as pessoas de determinada raça - ainda que muitas vezes sejam mais estereótipos do que diferenças reais - e, ainda por cima, tais características estão sendo usadas para anular totalmente a possibilidade de atração por pessoas daquela raça, ou para fetichizá-las/objetificá-las; no caso, para ver pessoas reais como objetos sexuais e/ou de servidão.

_

¹ Estas frases também remetem a misoginia, misoginia racializada e/ou imposição de papéis de gênero.

² No caso, pessoas fazendo esses comentários são estadunidenses que geralmente acham que a América Latina é um lugar totalmente homogêneo e que latines são pessoas não-brancas que possuem uma aparência específica. Minha intenção aqui não é dizer que pessoas brancas na América Latina são racializadas, e sim ajudar a situar o quanto o comportamento de tratar grupos tão grandes como homogêneos é ridículo.

Conceitos básicos de racismo: por que "preferências raciais" são racistas? 

Preferências sexuais/estéticas em geral são enraizadas em relação a qualidades que giram em volta de padrões sociais. A preferência por pele clara que muitas pessoas devem ter não é um acaso, e sim a ausência de publicações e atitudes que se referem a pessoas de pele escura como desejáveis. Isso também se aplica à preferência por olhos claros e sem dobra epicântica ou por narizes finos.

Padrões mudam entre lugares e épocas. Por exemplo, em sociedades onde muitas pessoas não conseguiam muita comida, pessoas gordas geralmente eram vistas como mais atraentes. Porém, em vários lugares hoje em dia, pessoas gordas são associadas com uma série de características negativas. A "preferência" por corpos magros não é algo natural e espontâneo, e sim um gosto que é influenciado pela cultura. A mesma coisa acontece quando alguém tem "preferência" por pessoas brancas ou que possuem mais traços associados com pessoas brancas do que outras de sua raça.

Mas... e as pessoas brancas com "preferência" por pessoas racializadas? Isso não estaria quebrando com esse padrão?

Não exatamente. Novamente, muito disso é baseado em estereótipos, e em não se importar com pessoas racializadas como pessoas com sues própries personalidades, interesses e corpos diferentes entre si. Nem todo homem negro tem pênis grande (ou pênis, num geral) ou interesse em fazer bastante sexo, ou interesse em penetrar. Nem toda pessoa japonesa vai poder ajudar com as contas da casa ou querer ser passiva na cama. Nem toda mulher racializada é secretamente super sensual. Mas quem justifica suas preferências raciais vê tais possibilidades como exceções ou como inexistentes: de qualquer forma, menos importante do que suas fantasias.

Ou seja, ao invés de quebrar padrões de atração, pessoas brancas que declaram suas preferências raciais só estão perpetuando estereótipos e desumanizando pessoas racializadas.

Conceitos básicos de racismo: por que "preferências raciais" são racistas? 

Algumas dúvidas que vejo gente ter sobre o assunto:

- Então ter um relacionamento com alguém que não é da mesma raça é racista?

Não é essa a questão, mas se você não consegue separar, digamos, "tenho tara por pessoas negras" de "queria ficar com essa pessoa (que também é negra, entre outras coisas)", você é racista independentemente de quem você quiser namorar.

- Então pessoas brancas que só tiveram relacionamentos com outras pessoas brancas são racistas?

Se ~por acaso~ tais pessoas brancas só possuem círculos de amizades brancos, só vão a lugares onde a grande maioria é branca mesmo que existam outros lugares acessíveis também, e nunca conseguem ver pessoas racializadas como dignas de atenção o suficiente para formarem relacionamentos próximos e/ou duradouros, provavelmente sim.

Isso não significa que existe algum tipo de cota de namoro pra não ser racista. Mas acho que cada pessoa branca deveria refletir sobre como nossas escolhas de vida podem nos afastar de pessoas racializadas, se temos vários relacionamentos com pessoas brancas (sendo relacionamentos amorosos e/ou sexuais ou de outros tipos).

Além disso, assim como homens misóginos podem ter relacionamentos com mulheres e ainda serem misóginos, pessoas brancas racistas podem ter relacionamentos com pessoas racializadas e ainda serem racistas. E ficar se gabando da exceção que é sentir atração por alguém que não é branque também é um sinal de racismo.

- E pessoas que não são brancas, mas que só namoram dentro da própria raça e/ou só namoram com pessoas que não são brancas?

Ser branque não oferece nenhuma experiência de opressão racial ou cultural por si só, mas ser racializade sim. Existe uma diferença entre uma pessoa coreana não querer se relacionar com pessoas brancas por conta de racismo e comentários objetificantes de koreaboos ou só querer se relacionar com outra pessoa coreana por entender melhor a cultura e os tipos de racismo sofridos por pessoas coreanas e uma pessoa branca só querer se relacionar com pessoas brancas porque "são inexplicavelmente mais atraentes".

Não que não existam casos de, por exemplo, homens asiáticos fetichizando homens negros, mas geralmente isso acontece quando alguém tem uma "preferência" por uma raça específica que não é a sua, e não por se fechar em um grupo que contém a si mesme.

Conceitos básicos de racismo: por que "preferências raciais" são racistas? 

[Aviso! Esta sequência toca em assuntos como sexo, atração e relacionamentos. Menciona genitálias e atos sexuais, e links poderão conter imagens sexualizadas.]

Algumas fontes sobre o assunto:

vejameumundo.com/porque-mulher
thegatewayonline.ca/2015/09/ye
geledes.org.br/a-sexualidade-d
almapreta.com/editorias/o-quil
buzzfeed.com/br/julianakataoka
smh.com.au/lifestyle/life-and-
reverseracism.tumblr.com/post/
thisisnotjapan.tumblr.com/post
thisisnotjapan.tumblr.com/post
gelopanda.tumblr.com/post/1471
advocate.com/current-issue/201

Relatos sobre preferências sexuais racistas em aplicativos e lugares pra pegação:
ladobi.com.br/2017/01/racismo-
bbc.co.uk/bbcthree/article/50b
qz.com/149342/the-uncomfortabl
poenaroda.com.br/diversidade/l
pt.innerself.com/content/perso
them.us/story/racism-is-not-a-
thetaskforce.org/wonky-wednesd

Origens de estereótipos:
www1.sp.senac.br/hotsites/blog
everydayfeminism.com/2015/12/a
drawingonindians.blogspot.com/ (este texto contém menções a abuso sexual infantil)

O que é objetificação e fetichização (não achei nada em português que explicasse isso do ponto de vista racial):
geledes.org.br/a-objetificacao
uniaodasmulheresdounderground.
teclasapatao.wordpress.com/201
thisisnotjapan.tumblr.com/post

História da obesidade:
sermo.com/history-obesity-rena

Conceitos básicos de racismo: O que é raça? Não é só a cor da pele? [menciona: exemplos pesados de racismo] 

Assim, eu não sei sobre pessoas em contextos diferentes do meu (em relação a geografia, histórico familiar e raça), mas já percebi que muitas pessoas brancas ao meu redor possuem entendimentos bem rasos e/ou equivocados sobre raça.

O conceito de raça já foi refutado de um ponto de vista biológico. As variações genéticas que poderiam constituir em descrições de como é cada raça são mínimas, em relação a tantas outras. Além disso, para cada grupo racializado citado de forma mais abrangente (como pessoas negras ou asiáticas) existem diversas etnias que podem ser muito mais diferentes entre si do que de outros grupos geograficamente próximos que poderiam ser categorizados como outra raça.

Mas, e então, por que dizem que "somos todes da raça humana" é uma afirmação racista? É porque isso invalida que raça é uma realidade social, independentemente de ser ou não uma realidade biológica.

Quando alguém diz "pastel de flango" pra uma pessoa na rua, responder "somos todes da raça humana" não é uma solução. Responder que a pessoa é de um grupo que não teria um sotaque onde "frango" se tornaria "flango" também não. Focar na biologia ou nas origens exatas de uma pessoa ou etnia só ignora a realidade social de que pessoas que não são brancas sofrem racismo.

É se colocar como uma pessoa branca superior que não acredita em racismo, ao contrário das pessoas ignorantes e preconceituosas.

Porém, racismo é algo bem mais intrínseco do que acreditar que pessoas de outras raças são biologicamente diferentes de forma que são praticamente espécies diferentes. É a violência institucionalizada contra comunidades onde a maioria não é branca. É a ausência de grandes ações reparativas para ajudar famílias e nações que tiveram suas vidas destruídas por colonialismo, genocídio e escravidão. É a normalização de padrões culturais e de beleza brancos. É não questionar quando termos ou estereótipos racistas são usados no dia-a-dia. É a contratação de pessoas racializadas apenas para cargos mal pagos.

Empinar o nariz e se dar um tapa nas costas por não acreditar em raça não ajuda a combater nada disso ou de outras injustiças.

Conceitos básicos de racismo: O que é raça? Não é só a cor da pele? 

Outra percepção comum que vejo de raça é que é uma questão da cor da pele. Muitas vezes, cor é usada como eufemismo pra raça: "pessoas não merecem ser julgadas pelas cores de suas peles", uso das categorias do IBGE pra descrever raças e afins.

Cor é uma questão importante, e pode fazer diferença em relação a como alguém vai ser viste em relação à sua raça. Porém, raça não é só cor da pele, e é julgada também por uma série de outras características físicas ou mesmo culturais. Formato da cabeça, dos olhos e do nariz, textura e cor do cabelo, tamanho dos lábios, e outras características influenciam ou podem influenciar a percepção de que raça(s) alguém é.

Pessoas de quaisquer raças podem ter pele clara. Não é uma exclusividade de pessoas brancas. Existe a questão do colorismo: pode haver uma abertura de oportunidades maior para pessoas de pele mais clara ou traços mais associados a ser branque, mas mesmo colorismo não se limita necessariamente à questão da cor da pele.

Enfim, a questão principal aqui é que ter pele de um certo tom ou de uma certa cor não é suficiente para isentar alguém de sofrer por conta da supremacia branca.

Conceitos básicos de racismo: O que é raça? Não é só a cor da pele? [menciona: exemplos pesados de racismo] 

Mas se raça não se refere a um conceito biológico ou a uma cor de pele, é o quê? Posição social.

Na época que países europeus começaram a mandar expedições para colonizar outros continentes e subjugar as pessoas que já estavam morando neles, o conceito de raça foi criado e utilizado para justificar opressão e violência. Cientistas branques começaram a dizer que humanes estavam dividides entre certas raças e que a raça branca era superior, e que então tava tudo bem ver outras sociedades como inferiores, escravizar pessoas e/ou cometer genocídio.

Ainda que em vários ambientes hoje em dia não se ensine que raça faz diferença na personalidade ou nas habilidades de alguém como ciência, existe uma herança cultural em ver pessoas como passivas, violentas, ignorantes ou afins por conta de características físicas ligadas às raças.

As circunstâncias que fazem com que a sociedade branca em geral não reconheça povos/etnias diferentes, e sim apenas pessoas indígenas, negras ou asiáticas, também faz com que essas pessoas tenham experiências em comum, especialmente quando vivem em territórios colonizados por pessoas brancas. Essas experiências de racismo também contribuem para que pessoas vejam esses termos como partes de suas identidades.

O mesmo processo acontece com a raça branca: é pouca a diferença entre experiências de pessoas de origens espanholas, italianas e portuguesas no Brasil atual. Isso porque a branquitude foi colocada como uma união necessária para perpetuar racismo contra quem não é branque.

Conceitos básicos de racismo: O que é raça? Não é só a cor da pele? [menciona: exemplos pesados de racismo] 

Resumindo:

Existem raças humanas diferentes, do ponto de vista biológico? Não.

Então como é que isso importa? É um conceito que existe no imaginário social faz séculos, e que possui consequências reais, inclusive atualmente.

Dá pra descrever raça como tom ou cor de pele/quantidade de melanina? Não, afinal existem outras características relevantes que levam alguém a ser de uma ou de outra raça.

Aviso! Vários links falam sobre colonialismo, escravidão e racismo científico, além de outros casos de racismo.

Fontes:
uol.com.br/tilt/ultimas-notici
geledes.org.br/as-nao-brancas-
recantodasletras.com.br/artigo
impressoesmundanas.blogspot.co
twitter.com/PhaelDiego/status/
thepatrioticvanguard.com/the-m
thepatrioticvanguard.com/the-m
thoughtco.com/scientific-vs-so
revistas.usp.br/cadernosdecamp
brtking-7.medium.com/our-skin-
anthropology.emory.edu/FACULTY

Fontes específicas sobre a criação do conceito das raças humanas:
britannica.com/topic/race-huma
newsreel.org/guides/race/press
web.archive.org/web/2006052413 (AC: isto é um documento histórico que é extremamente racista e misógino. Menciona escravidão.)
O último link da seção anterior também entra um pouco nisso.

Fontes sobre o que é e dando exemplos de colorismo:
shadesofnoir.org.uk/colourism- (AC: menciona estupro)
geledes.org.br/zoe-saldana-se-
racismwithinthestates.weebly.c
fucknofetishization.tumblr.com
reverseracism.tumblr.com/post/
herculture.org/blog/2015/10/8/

Conceitos básicos de racismo: o que é apropriação cultural (ou qual o problema com ela)? 

Apropriação cultural significa, dependendo da fonte:

- Usar elementos de outra cultura como se fossem da própria cultura {1};

- Uma cultura pegando aspectos de outra cultura {2};

- Absorver outras culturas, reproduzi-las dentro de um ponto de vista do grupo com mais poder (geralmente pessoas brancas) e agir como se fossem sua própria criação {3};

- A apropriação indevida de elementos de uma cultura por outro grupo cultural, de forma que há um esvaziamento dos elementos apropriados pela cultura dominante {4}.

Acho bom ter em mente que muitas vezes, ao se discutir apropriação cultural, o termo não é definido, e que portanto algo ser ou não apropriação cultural pode ter um julgamento diferente dependendo da definição usada.

Mesmo assim, ao se discutir os problemas com apropriação cultural, é irrelevante pensar se há a possibilidade de apropriações culturais benéficas, ou se qualquer apropriação cultural é algo ruim por definição. A questão é o processo de:

1. "Descobrir" algo legal em uma cultura marginalizada (pode ser uma vestimenta {5, 6, 7}, uma comida {8}, um feriado {9}, um estilo de música {4}, etc.);

2. Tirar tal coisa do contexto original (focando na coisa legal e não nos motivos de existirem ou nos passos que deveriam ser tomados pra apreciar aquilo em seu contexto) {6, 9, 10};

3. Agir como se fosse algo novo {6, 7, 11}, exótico {6}, na moda {1, 5, 12};

4. Adquirir lucro {3, 4, 6, 8, 11, 14} ou popularidade {11, 12} sem que a cultura original se beneficie disso;

5. Apagar, quando existente, qualquer contexto de como aquela coisa partiu de um contexto de resistência anticolonialista {1, 4, 5}.

Isso não quer dizer que apropriação cultural só existe ou é ruim quando cumpre ou tem a intenção de cumprir todos estes itens (muitos dos exemplos citados nas fontes só cumprem parte deles). Além disso, imitação de culturas diferentes pode ser ofensiva mesmo sem ser necessariamente apropriação cultural {3, 14}.

Conceitos básicos de racismo: o que é apropriação cultural (ou qual o problema com ela)? 

A parte de aprender sobre outras culturas não é necessariamente apropriação {2, 13, 15}. A questão principal acaba sendo como tal aprendizado é expressado e utilizado. Alguns problemas comuns são:

- Tratar elementos culturais estigmatizados como uma moda ou uma coisa diferente que dá pra experimentar e depois jogar fora, enquanto pessoas das culturas afetadas não possuem o privilégio de não serem mais associadas à cultura {7, 15, 16, 17};

- Imitar a aparência ou os hábitos de pessoas racializadas que sofrem estigma e afastamento de oportunidades por conta de tais características {1, 7, 12, 17};

- Ganhar fama, elogios e/ou dinheiro a partir de imitações descontextualizadas de aspectos de culturas marginalizadas {5, 6, 7, 8, 9, 12, 14};

- Alguém obter uma posição de "expert" na cultura em questão, a ponto de falar sobre e por cima de membres da cultura marginalizada e de ter suas ações e decisões serem levadas mais a sério dentro da sociedade branca do que pessoas com mais conhecimento e experiência das culturas afetadas {18, 19, 20, 21}.

Basicamente: pessoas brancas usam ou fazem algo e são vistas como revolucionárias, criativas, cheias de conhecimento. Pessoas da cultura que aquela mesma coisa se originou são vistas como estereotípicas, sujas ou insuficientemente assimiladas quando fazem a mesma coisa. E, em relação às consequências, pessoas brancas ganham visibilidade e dinheiro, enquanto oportunidades não aparecem ou são menos frequentes para pessoas racializadas que fizeram aquela mesma coisa.

Conceitos básicos de racismo: o que é apropriação cultural (ou qual o problema com ela)? 

De um ponto de vista individual: se você é branque e quer usar alguma roupa tradicional indiana, ou usar algum estilo de cabelo feito por e para pessoas negras, ou participar de alguma religião fechada a povos específicos, ou usar um nome japonês, ou abrir um restaurante de comida haitiana, há algum motivo pra fazer isso além de ser algo "exótico e diferente" (o que aliena pessoas cuja cultura tem essas coisas como comuns)? E, se as palavras usadas pra elogiar e justificar não forem essas, seriam palavras que também estereotipam as culturas de onde essas coisas vem, como querer ser "selvagem", "rebelde", "alternative", "zen" ou "urbane"?

Mesmo assim, acima de falar sobre tal indivíduo possivelmente sendo apropriativo ou de debater sobre qual a linha que divide apropriação cultural e apreciação, é importante falar sobre o capitalismo branco banalizando elementos culturais importantes {5, 14} e alienando todes sobre as contribuições de pessoas racializadas para estilos ou elementos culturais {1, 5, 6}. Isso contribui para o apagamento de culturas racializadas e para o esvaziamento dos significados culturais ou de resistência de certos elementos.

A questão de apropriação cultural é bem complexa, com pessoas diferentes tendo pensamentos diferentes sobre o que conta ou não conta como apropriação num sentido negativo, e sobre qual a importância de combater a apropriação cultural {3, 14, 15, 22}.

No entanto, não vejo motivo para nós, pessoas brancas, não nos questionarmos por quais motivos queremos muito usar ou fazer parte de outra cultura quando não é algo que diz respeito à gente, ou defender quem faz isso. Muitas vezes, pode ser uma questão de nos acharmos no direito de ter permissão para fazermos o que quiser sem sermos chamades de racistas só por uma questão de exercer nossa liberdade pessoal privilegiada {5, 13}.

Conceitos básicos de racismo: o que é apropriação cultural (ou qual o problema com ela)? / fontes; contém links externos 

Fontes:
{1, pt} garotatecontotudo.com.br/2020/
{2, en} swanblood.tumblr.com/post/1622
{3, en} youtube.com/watch?v=fgXajmZ4Nc
{4, pt} socialbauru.com.br/2019/02/25/
{5, pt} geledes.org.br/stephanie-ribei
{6, en} youtube.com/watch?v=vKDwzRjCn7 (ac: capacitismo)
{7, en} angrywocunited.tumblr.com/post
{8, en} takingbackourculture.tumblr.co
{9, en} ayadeleon.wordpress.com/2014/1
{10, en} takingbackourculture.tumblr.co
{11, en} angrywocunited.tumblr.com/post
{12, en} gal-dem.com/appropriation-full
{13, en} thepaganstudygrouppage.tumblr.
{14, pt} visibilidadeindigena.blogspot. (ac: capacitismo)
{15, en} everydayfeminism.com/2013/09/c
{16, pt} catracalivre.com.br/cidadania/
{17, en} takingbackourculture.tumblr.co
{18, en} thisisnotjapan.tumblr.com/post
{19, en} blog.franchesca.net/post/13019
{20, en} thisisnotjapan.tumblr.com/post
{21, en} everydayfeminism.com/2016/05/y
{22, en} youtube.com/watch?v=0TxC9fgxIh

Acompanhar

Conceitos básicos de racismo: o que é blackface / yellowface / brownface / redface? 

Algo que já percebi em alguns lugares é que existem pessoas brancas que não são familiares com o conceito, ou ao menos com suas ramificações, então aqui estamos.

Blackface (significa "rosto preto/negro", não vou traduzir esses termos porque nenhum conteúdo faz isso) se originou, ao menos em sua forma mais conhecida, em performances estadunidenses onde pessoas brancas se pintavam de preto (usando carvão), com a exceção dos olhos e lábios (geralmente pintados de vermelho), para interpretar caricaturas estereotipadas de pessoas negras, retratadas como ignorantes, preguiçosas, viciadas em jogos ou bebida, e outros estereótipos criados por pessoas brancas para justificar como a ilegalidade da escravidão prejudicaria pessoas negras.

(Tais performances - chamadas de espetáculos de ministréis - começaram a aparecer no início do século XIX e ficaram mais populares na segunda metade de tal século, sendo que a escravidão foi julgada inconstitucional nos EUA em 1865. Esses "espetáculos" só foram desaparecendo com o crescimento do ativismo negro a partir de 1960. Isso não é coincidência.)

A popularidade disso faz com que qualquer instância de "pintar a cara de preto" seja ligada a estes estereótipos. Porém, este não é o único problema com blackface: mesmo quando pessoas negras foram sendo representadas além de caricaturas, muitas vezes pessoas brancas pegavam esses papéis e eram pintadas para "parecer negras", por mais que raça tenha a ver com questões além da cor (ver: colorid.es/@Aster/105200424046). Mesmo em desenhos animados, muitas vezes personagens eram desenhades como caricaturas de blackface, ao invés de como pessoas negras realistas.

· · Web · 1 · 3 · 3

Conceitos básicos de racismo: o que é blackface / yellowface / brownface / redface? 

Yellowface ("rosto amarelo") também se origina no teatro estadunidense, onde atóries branques usavam cremes bronzeadores, próteses, maquiagem e/ou roupas imitando "estilos asiáticos" para imitar (geralmente) pessoas chinesas ou japonesas. Tais personagens geralmente eram estereótipos que ridicularizavam pessoas asiáticas ou as colocavam como vilãs.

Antes do século XXI, haviam poucas reclamações públicas sobre yellowface no teatro ou no cinema. Isso também faz com que hoje em dia ainda existam muitos casos onde pessoas brancas aceitem fazer papéis de pessoas asiáticas.

Redface ("rosto vermelho") existia antes do teatro e do cinema, mas se popularizou com filmes retratando pessoas indígenas. Embora uma ou outra pessoa indígena fosse contratada para papéis, em geral o gênero era dominado por pessoas brancas com a pele pintada e com roupas estereotipicamente "indígenas".

Brownface ("rosto marrom") é um termo mais amplo, já que já vi sendo aplicado a imitações de mexicanes, de povos nativos do Oceano Pacífico, de povos asiáticos que não são do leste asiático e de outras identidades racializadas que não são categorizados como "amarelas", "vermelhas" ou "pretas". Ocasionalmente, imitações de pessoas árabes são diferenciadas como arabface.

Novamente, tem a ver com imitar características raciais via maquiagem, próteses e roupas, geralmente com o objetivo de interpretar caricaturas racistas.

O que tudo isso tem em comum é o uso de estereótipos raciais para imitar ou interpretar pessoas de uma raça marginalizada que não é a sua, em uma prática quase inteiramente feita por e para pessoas brancas, que muitas vezes também perpetua estereótipos racistas e tira empregos de pessoas racializadas. Mesmo quando a intenção é homenagear e não ofender, a questão é que reduzir algume personagem ou algum grupo a caricaturas estereotipadas ofende e é racista.

Isso se aplica não só a próteses e pinturas de pele, mas também a "se vestir" com roupas tradicionais ou que parecem ser tradicionais de outras culturas, sem se preocupar com o contexto ou com o significado. Além da possível questão da apropriação cultural (ver: colorid.es/@Aster/105228346028), tem a questão de perpetuar estereótipos.

Conceitos básicos de racismo: o que é blackface / yellowface / brownface / redface? 

Porém, também há outra questão quando se discute sobre {cor}face hoje em dia, que é a apropriação de "características étnicas" por pessoas brancas para se colocarem como mais exóticas ou interessantes. Nas fontes, vou apontar isso como {cor}face "moderna", já que a questão (à primeira vista) passa a não ser ridicularizar ou estereotipar, e sim fingir diretamente ou indiretamente ser outra raça ou fazer parte de outra cultura.

(Isso não significa que {cor}face "clássica" não existe mais ou não é mais defendida: várias dos links nas fontes também apontam pra exemplos modernos disso.)

Tutoriais de maquiagem que ensinam a "parecer mais negre" ou a "parecer mais asiátique", utilização de nomes de outras culturas para fazer da imagem de alguém "mais exótica", exagero de raízes racializadas para conseguir empregos ou vagas direcionades a pessoas racializadas e uso constante de imagens de reação e avatares de pessoas/personagens racializades são alguns exemplos de como pessoas brancas usam outras raças como "fantasias" convenientes.

Ainda que tais ações possam ser vistas como menos ofensivas do que se pintar e agir como um estereótipo exagerado, elas são também consideradas racistas e {cor}face. Afinal, um dos componentes disto sempre foi usar a imagem de uma caricatura racializada para se elevar/elevar a própria carreira como pessoa branca. Outro componente é enganar outres a respeito da própria raça.

Assim como falei no texto sobre apropriação cultural, podem ter situações onde há controvérsias sobre qual é a linha entre imitar uma raça e demonstrar apreciação por ume personagem ou por uma cultura (ao menos nesses casos "modernos"). Daí tem que fazer a reflexão: o quanto você está fazendo algo por parecer legal, exótique ou diferente? O quanto há a necessidade de uma "expressão pessoal" feita desta forma?

Conceitos básicos de racismo: o que é blackface / yellowface / brownface / redface? (Fontes) 

Fontes:

Blackface "clássica"
geledes.org.br/significado-de-
youtube.com/watch?v=ijZiXJXBTE
reappropriate.co/2014/11/canad

Blackface "moderna"
pumpumdemsugah.tumblr.com/post
fucknofetishization.tumblr.com
theodysseyonline.com/satire-as
aamerrahman.tumblr.com/post/54
teenvogue.com/story/digital-bl
youtube.com/watch?v=rrcz2l-Vb5

Yellowface "clássica"
yellow-face.com/yellowface-the
history.com/news/yellowface-wh [menciona uma obra com nome capacitista]
brightlightsfilm.com/certain-s
brofligate.tumblr.com/post/107
hibarisensei.wordpress.com/201

Yellowface "moderna"
fucknofetishization.tumblr.com
theguardian.com/books/2015/sep
thisisnotjapan.tumblr.com/post
thisisnotjapan.tumblr.com/post
thisisnotjapan.tumblr.com/post

Redface
rampages.us/greggdk/2015/11/18
red-face.us/redface-film-tv.ht
csmonitor.com/USA/Society/2019
saphire-dance.tumblr.com/post/

Brownface
reappropriate.co/2014/07/hbo-t
abcnews.go.com/International/w
reverseracism.tumblr.com/post/
reverseracism.tumblr.com/post/
justsomeantifas.tumblr.com/pos
thenews.com.pk/print/238772-Is

Conceitos básicos de racismo: o que é privilégio branco? 

Assim como "o que é raça" (colorid.es/@Aster/105200424046 / starrypride.neocities.org/text), este é um conceito fundamental pra entender quando se fala sobre racismo.

Privilégio, em contextos de justiça social, se refere a não fazer parte de um grupo marginalizado/minorizado; se refere a não sofrer sob uma opressão de determinado tipo.

Algumas pessoas não gostam da palavra privilégio porque dá a ideia que coisas estão sendo dadas ou garantidas de graça, sendo que privilégio é a ausência da opressão e discriminação na vida diária.

Eu discordo: acho que o termo privilégio descreve essa questão do ponto de vista do(s) grupo(s) marginalizado(s) em certo eixo. Se alguém, por exemplo, me segue em alguma rede social, mas não me seguiria se eu fosse uma pessoa negra, isso é um privilégio: é algo que está sendo dado pra mim, ainda que eu não tenha como saber que eu ganhei essa pessoa me seguindo sendo que não ganharia de outra forma.

Enfim, privilégio se aplica a vários eixos de opressão: existe privilégio neurotípico, privilégio magro, privilégio cis, privilégio de homens, privilégio perissexo, etc.

Falando especificamente de questões raciais, há o privilégio branco.

Conceitos básicos de racismo: o que é privilégio branco? [ac: covid-19, exemplos de discriminação] 

Se privilégio branco é a ausência de opressão com base na raça, o que isso significa, exatamente?

Significa que pessoas brancas podem ficar menos tempo na prisão do que pessoas negras pelos mesmos crimes {1}, que pessoas brancas podem ganhar mais dinheiro do que pessoas pretas ou pardas com o mesmo nível de escolaridade {2}, que pessoas brancas têm menos chances de morrer com covid-19 {3, 4}, que pessoas brancas possuem representatividade muito maior em espaços de poder político {5}, e por assim vai.

Isso não são acasos aleatórios ou questões de alguma superioridade inata. São as consequências de séculos de colonização, exploração e segregação. Não adianta que as leis mudem para que escravidão, assassinatos e/ou segregação se tornem ilegais, quando pobreza, preconceitos da população branca e divisão de poder continuam da mesma forma.

Como um exemplo: A proibição das leis que impediam pessoas de votar com base em raça e etnia nos Estados Unidos só passou a existir a partir de 1965 (embora estados individuais tivessem leis diferentes em relação a isso antes) {6}. O primeiro secretário de estado negro, Robert C. Weaver, foi nomeado em 1966 {7}.

Como é que pessoas brancas, que com certeza haviam sido convencidas de que impedir pessoas de votar com base em raça era algo bom e que fazia sentido, conseguiriam repentinamente mudar de opinião e achar que qualquer justificativa usada pra isso era algo errado do passado? Como é que as chances de todes de serem eleites passaria a ser igual para todas as raças, quando várias pessoas brancas já tinham popularidade e reconhecimento em sua carreira política, enquanto várias pessoas racializadas recém conseguiram a possibilidade de ter pessoas em sua família e/ou em seus bairros votando nelas?

(Não é à toa que, em 2004 e 2005, houveram vários casos de discriminação contra pessoas de origens asiáticas e latinoamericanas relacionados às eleições, que podem ser resumidos pelo pressuposto de serem "estrangeiras demais". Algo que tem origem na naturalização restrita a imigrantes branques em 1790 e nas leis que proibiram vários grupos étnicos asiáticos de imigrarem para os EUA a partir de 1882. {8})

Conceitos básicos de racismo: o que é privilégio branco? 

Opressão sistêmica também não é só em relação às leis e suas consequências, mesmo que estas sejam um aspecto importante. Padrões de beleza e estereótipos espalhados por propagandas e séries/novelas/desenhos/filmes/livros/etc. populares, desvalorização e/ou exotificação de culturas não-brancas, fetiches ou repulsas por certas raças (colorid.es/@Aster/105193645667 / starrypride.neocities.org/text) e uma série de comportamentos, currículos, representações, heranças (tanto culturais quanto financeiras) e afins acabam privilegiando pessoas brancas.

Ou seja, não é apenas uma questão de parar de xingar ou bater em pessoas porque não são brancas que aí acaba o racismo. É toda uma cultura que ensina que pessoas brancas são as pessoas "normais" e que outras pessoas possuem características específicas associadas com raça e são menos dignas de serem tratadas como humanas. Isso vai além de casos conscientes de racismo.

Privilégio branco, então, tem a ver com tudo isso: com não precisar ter que encarar a realidade do sistema racista porque isso não nos afeta; com ver tentativas de reparar essa situação como injustas/"racismo reverso" porque deixam pessoas brancas de fora (ainda que não estejam sendo impedidas de fazer nada por conta de medidas como cotas ou oficinas exclusivas). Com não querer ter o trabalho de pesquisar sobre racismo, afinal não é um assunto divertido, conhecido ou que nos beneficia, e aí sair falando opiniões sobre raça que ignoram outras realidades.

Quem é branque e não quer ser racista tem que ir além de reconhecer que racismo existe e não falar coisas que não discriminem contra alguma raça. Não temos como abrir mão do privilégio branco, mas podemos rever aspectos de nossas vidas para atrapalhar menos as vidas de pessoas racializadas, e podemos falar com outras pessoas brancas para que façam a mesma coisa. Podemos ajudar em protestos, doações e outras ações.

Mesmo assim, não podemos nos ofender quando alguém diz que todas as pessoas brancas são racistas, ou quando alguém diz que nós somos individualmente racistas. Nós vamos nos beneficiar da supremacia branca (ainda que isso possa acontecer de forma passiva) até que ela acabe, e sempre há mais trabalho a fazer se queremos ser considerades aliades.

Conceitos básicos de racismo 

@Aster Você está pondo esses toots como um texto completo em algum lugar fora do Mastodon, tipo no amplifi.casa, etc?

Entre para participar dessa conversa
Colorid.es

Uma instância com foco em pessoas queer/LGBTQIAPN+ que falam português. Saiba mais em sobre.colorid.es!

Qualquer pessoa pode criar uma conta, independentemente de orientação, gênero, relação do gênero atribuído ao nascimento com identidade de gênero ou corporalidade. Só não se esqueça de ler nossas regras!

Hi there, English speakers! You can see information regarding this instance by clicking here!